logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

Com a pesquisa em crise no Brasil, vale apostar em carreiras acadêmicas?

Qui, 23 de Janeiro de 2020 17:08

Desde 2015, R$ 38 bilhões foram cortados do setor de pesquisa acadêmica, segundo o Observatório do Conhecimento. “Os pesquisadores estão tendo dificuldades na manutenção dos laboratórios, aquisição de equipamentos e insumos e isso tudo prejudica a atividade do cientista”, conta a vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Fernanda Sobral

 

O cenário das carreiras acadêmicas no Brasil vem se deteriorando há alguns anos. Desde 2015, R$ 38 bilhões foram cortados do “setor do conhecimento”, somando as perdas acumuladas ano a ano e corrigidas pela inflação. O dado é do Observatório do Conhecimento, grupo composto por associações de docentes das universidades do país. Considerando estes números, a carreira acadêmica no Brasil ainda é uma boa aposta? Como está o clima e a conjuntura da pesquisa científica no país?

 

Em 2019, de acordo com o levantamento, o orçamento para produção de conhecimento representou apenas 52% do que estava disponível em 2014 – R$ 15 bilhões a menos. Foram levados em consideração valores empenhados destinados a Instituições Federais de Ensino Superior (IFEs), à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes); e ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

 

A Capes é vinculada ao Ministério da Educação (MEC) e é responsável por uma parcela das bolsas recebidas por estudantes de graduação e pós-graduação no país. Já o MCTIC abriga o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que arca com custos de manutenção de laboratórios e compra de insumos para pesquisa e com outras dezenas de milhares de bolsas para pesquisadores. “Os pesquisadores estão tendo dificuldades na manutenção dos laboratórios, aquisição de equipamentos e insumos e isso tudo prejudica a atividade do cientista”, conta a vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Fernanda Sobral.

 

Ela acrescenta que, de maneira geral, faltam estímulos para que crianças e adolescentes enxerguem a ciência como uma opção de carreira a ser seguida. “Desde o ensino básico, nem sempre é mostrado que a ciência é uma coisa possível. Muitos acham que é difícil ou ficam com a ideia do cientista louco dos desenhos. A ciência se faz por meio de curiosidade”, diz.

 

Fonte: Jornal da Ciência, 22/01/2020, com informações de UOL

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa