logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

Estudo melhora visualização de defeitos microscópicos em materiais

Qui, 23 de Janeiro de 2020 17:00

Pesquisadores visualizaram as amostras por meio da técnica chamada de geração de segundo harmônico de campo escuro, que utiliza um filtro para separar as componentes espaciais da luz coletada pelo detector do microscópio

 

Materiais bidimensionais como o grafeno, feitos de uma única camada atômica, apresentam propriedades de grande interesse tecnológico. Produzir e analisar amostras desses materiais em laboratório continua sendo um grande desafio, pois mesmo pequenos defeitos microscópicos podem interferir significativamente nas propriedades eletrônicas do material.

 

Um novo estudo, publicado em dezembro na revista Nano Letters, demonstra como visualizar e caracterizar as propriedades de defeitos microscópicos unidimensionais de maneira mais rápida e com melhor resolução que as técnicas convencionais. Bruno Carvalho, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), explica sua pesquisa no vídeo a seguir.

 

Carvalho realizou o estudo em colaboração com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), da Universidade Estadual da Pennsylvania e da Universidade Northeastern, nos Estados Unidos.

 

A equipe internacional analisou amostras de monocamadas atômicas de disseleneto de molibdênio (MoSe2), dissulfeto de molibdênio (MoS2) e dissulfeto de tungstênio (WS2), preparadas pela técnica de deposição química à vapor. Os pesquisadores visualizaram as amostras por meio da técnica chamada de geração de segundo harmônico de campo escuro, que utiliza um filtro para separar as componentes espaciais da luz coletada pelo detector do microscópio, obtendo imagens que mapearam as bordas das amostras com fator de aumento 20 vezes maior e localizaram defeitos chamados de fronteira de grãos com fator de aumento mil vezes superior ao da técnica de geração de segundo harmônico de campo claro.

 

Além disso, a técnica produz imagens em segundos e sem destruir as amostras, diferente de outras técnicas convencionais como a espectroscopia Raman e a fotoluminescência de alta resolução. Os pesquisadores puderam observar também os efeitos das fronteiras de grão nas propriedades eletrônicas dos materiais, ao variarem o comprimento de onda da luz incidentes sobre as amostras.

 

Artigo científico

 

Nonlinear Dark-Field Imaging of One-Dimensional Defects in Monolayer Dichalcogenides
Bruno R. Carvalho, Yuanxi Wang, Kazunori Fujisawa,Tianyi Zhang, Ethan Kahn, Ismail Bilgin, Pulickel M. Ajayan, Ana M. de Paula, Marcos A. Pimenta, Swastik Kar, Vincent H. Crespi, Mauricio Terrones e Leandro M. Malard
Nano Lett. 2020, 20, 1, 284-291

 

Fonte: Jornal da Ciência, 21/01/2020, com informações da SBF

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa