logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

Um sistema nacional de informações pode ajudar na defesa da CT&I

Seg, 29 de Abril de 2019 09:46

 

“Informações consolidadas e continuadas sobre os resultados dos investimentos brasileiros em pesquisa facilitariam a disseminação e assimilação pelos atores políticos e pela população dos benefícios da Ciência, da Tecnologia e da Inovação”, argumenta Daniel Alves Natalizi, analista em CT&I do CNPq

 

Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) são elementos essenciais para o desenvolvimento. Mas será que essa mensagem alcança a todos? Notícias recentes publicadas nos principais veículos de comunicação destacaram a importância da Ciência e Tecnologia ao repercutir o impacto negativo dos cortes orçamentários nos investimentos em pesquisa. Essa imagem positiva do papel de pesquisadores e instituições de pesquisa tem sido uma constante na imprensa em geral, mas não parece atingir os responsáveis pela construção do orçamento. Em época de contenção de despesas os recursos de CT&I são sempre alvo prioritário de cortes ou contingenciamentos, embora representem um percentual minúsculo do orçamento do Governo Federal. E no momento atual de polarização política e uso extensivo das redes sociais crescem as manifestações que tentam caracterizar os pesquisadores como privilegiados ou visam desqualificar os investimentos em pesquisa.

 

Os argumentos em favor da CT&I – pelo menos aqueles que atingem um grande público – se sustentam quase exclusivamente em dois pontos: a consolidação do Brasil como um dos grandes produtores de artigos científicos e experiências pontuais bem-sucedidas (um exemplo recente o sucesso na identificação e combate ao zika vírus). Os benefícios advindos do primeiro ponto são pouco compreendidos pela maioria da população e o segundo vem sendo contra-atacado nas redes sociais com uma enxurrada de exemplos de pesquisas cuja qualidade é arbitrariamente questionada.

 

Parece clara a necessidade de articular e estruturar a divulgação dos benefícios imediatos e de longo prazo dos investimentos em pesquisa. Há no histórico recente do CNPq – e o mesmo vale para outras agências – diversos casos de comprovação empírica do sucesso do fomento à CT&I: desde a influência dos Programas de Iniciação na formação de pesquisadores, passando pela excelência da produção científica e tecnológica dos Bolsistas de Produtividade, pelo sucesso de programas de grande porte como os Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, e por iniciativas de inovação em parceria com instituições privadas.

 

No entanto, informações sistematizadas e continuadas sobre a efetividade dos programas e ações são escassas. O Brasil conta com uma plataforma nacional de currículos – a Plataforma Lattes -, experiência extremamente bem-sucedida no registro dos resultados do trabalho dos pesquisadores. Por outro lado, as informações sobre os apoios concedidos, seja na forma de bolsas ou de recursos financeiros a projetos, estão pulverizadas em uma multitude de sistemas que não se comunicam: Carlos Chagas, Sucupira, Finep, FAPs, e outras plataformas que continuam sendo criadas – vide programa Ciência na Escola.

 

A fragmentação e falta de comunicação entre os sistemas é um problema. Mas há outro ainda mais impactante. Quase sem exceção, o processo de acompanhamento e avaliação depende do pesquisador indicar quais informações da Plataforma Lattes devem ser atribuídas a cada apoio. Ou, pior ainda, realizar uma nova alimentação dos sistemas de fomento com os resultados das pesquisas, duplicando o esforço de preenchimento. O fluxo de informações segue a direção Plataforma Lattes > Plataforma de fomento, produzindo informações estanques que representam uma fotografia dos resultados naquele momento. Isso dificulta avaliar, por exemplo, os impactos de uma ação cinco anos após o término dos projetos de pesquisa apoiados.

 

Uma solução seria criar um fluxo na direção oposta: das plataformas de fomento para a Plataforma Lattes. Uma interface de comunicação que permita a cada Agência fornecer ao Lattes informações dinâmicas sobre os apoios concedidos possibilitaria a criação de uma nova aba no Currículo – que podemos denominar “Apoios Recebidos” – alimentada automaticamente. O pesquisador poderia, então, no momento do registro de um artigo ou outro produto, marcar sua produção como resultado de um ou mais apoios recebidos. Como a Plataforma Lattes é dinâmica e constantemente atualizada, seria possível avaliar a evolução temporal dos resultados dos apoios e programas.

 

Outra medida urgente é a integração das diferentes plataformas de fomento em um único Sistema de Informações em CT&I, estabelecendo-se padrões de trocas de informações que permitam às agências manter sua independência na gestão dos sistemas ao mesmo tempo em que possam compartilhar suas informações e consumir as das outras instituições. A consolidação desse sistema único permitiria um avanço sem precedentes nas atividades de planejamento, acompanhamento e avaliação de ações de CT&I. Informações consolidadas e continuadas sobre os resultados dos investimentos brasileiros em pesquisa facilitariam a disseminação e assimilação pelos atores políticos e pela população dos benefícios da Ciência, da Tecnologia e da Inovação.

 

*O artigo expressa exclusivamente a opinião de seu autor

 


Fonte: Jornal da Ciência, 25 de Abril de 2019

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa